segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Sopro

A um sopro volátil
tudo, efémero, se esvanece
E a humanidade cedo esquece
Que um dia existiu Voltaire,

Não vivemos o amanhã
E o peso nefasto da hora,
Não é o amanhã sempre o agora
Agora e perpétuo amanhã?

Sempre o inexorável presente,
Como se não existira memória
O desejo de paz ou o fim da história
Paira em ilusão eternamente,

Sempre nós, sempre os mesmos
Abandono sensorial,
Complexo universo burial,
Os mesmos conceitos, mesmos termos.

2 comentários:

Clube dos Contribuintes Mortos disse...

prolífero Colima! e versátil, também.
este é o meu favorito. acho que o devia submeter a prova.

... disse...

Olá adorei o desinger do seu blog sem contar que as postagens são marvilhosas, to seguindo, se quizer fazer uma visita, seguir, deixar um recado o meu blog estará de portas abertas também.

O Meu é: www.raiquemd.blogspot.com